Corri a minha primeira meia maratona e re-descobir a minha energia. Foram 21 km sem parar numa das corridas mais belas de Lisboa, a corrida da ponte 25 de Abril. Sinto-me fantástica com uma energia brutal. E trago esta energia comigo para todos os desafios que a vida me reservará.

Esta já ninguém ma tira. A minha medalha da meia maratona da ponte 25 de Abril.

Sempre foi um objectivo pessoal fazer uma meia maratona, 21 km. Por muitas circunstâncias da vida fui adiando. Acredito muito que não era o momento certo nas várias vezes que tentei.

Que o dia 17 de Março de 2019 era o meu momento.

O belo do dorsal para a meia maratona de Lisboa.

Comecei a correr em Janeiro, com um ritmo tão lento, perto dos 8 minutos/km e as distâncias? Apenas 5km.

Lembro-me tão bem, estava a chegar ao fim de Janeiro e nem conseguia chegar aos 10 km. A distância máxima que conseguia correr era 8 km e eu pensava para comigo

"É tão difícil aumentar o ritmo ou a distância para chegar a uma meia maratona" 

E deixei-me vezes sem conta contagiar com as muitas opiniões e experiências das dores e dificuldade da meia maratona.

Até que decidi que me iria focar, treinar com qualidade, comer bem e adequado, dormir bem e o necessário, ignorar o stress do trabalho, manter a mente bem afastada do stress e negatividade e rodear-me de pessoas com a mesma vibe e energia que eu. E de repente já ia em provas de 10 km, 15km, 18km, 20km e estava preparadíssima para os 21 km, para fazer a minha primeira meia maratona, em menos de 3 meses.

Como é que consegui estar preparada em tão pouco tempo?

Nos meses que antecederam a meia maratona, ouvi constantemente e respeitei todas as necessidades do meu corpo. Deixei-o aumentar de peso de forma a ter energia suficiente para treinar e fazer a prova e, também, reforcei o core de forma a evitar as lesões.

E senti muito a vossa energia e vibe cada vez que atingia uma nova etapa. Senti as pessoas positivas ao meu lado emocionadas e alegres. Com aquele olhar de admiração para comigo como eu sinto para com elas na sua vida profissional ou pessoal.

Corri os 21 km em 2h17 superei um pé inchado e uma dor de joelho que decidiu acompanhar-me até ao km 17. Que só desapareceu quando senti a energia da estrada e a força das pessoas. Nunca mais me lembrei da dor e foi-lhe a dar tudo até à meta. Lembro-me tão bem o meu relógio nos últimos kms batia a casa dos 5 minutos de ritmo/km. É uma sensação tão especial e inexplicável.

Sabem porquê esta meia maratona foi tão especial para mim?

Inesperadamente a meia maratona acordou a minha energia, e ensinou-me a ser disciplinada e focada. Ajudou-me a bater o meu medo da balança. Mostrou-me que bastava acreditar que eu era capaz, que eu é que fazia a mudança.

E a re-acreditar que o futuro nos reserva sempre algo muito melhor.

Feliz por ter terminado a meia maratona de Lisboa sempre a correr.

Cresci tanto como pessoa, hoje olho para trás e sei que foi o momento certo.

Correr é muito difícil e duro não vos digo que não. Para mim é uma modalidade psicológica e de força interior que depende muito de mim e da adaptação do meu corpo às barreiras que possam aparecer pela frente como a temperatura, a dor muscular/óssea e até os pés inchados.

Se voltaria a fazer? Será que existem dúvidas?

A minha próxima meia maratona já está marcada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *